ATENÇÃO:  SESSÕES DA CÂMARA DE VEREADORES DE TORRES - ASSISTA AQUI ON LINE - SEGUNDAS  FEIRAS - 16.00 h 

Estas sessões, gravadas, ficarão rodando na TV DIGITAL durante toda a semana e, posteriormente, arquivadas no ícone barra superior TORRES/Câmara de Vereadores

 

 Dezembro, 15

O Advento

Paulo Timm – Especial A FOLHA, Torres – Natal 2017

 

Todos os anos trago aos leitores de Torres e Passo de Torres,  na expectativa de ecoar por todas as curvas do Mampituba,  minha mensagem de BOAS FESTAS, através da lembrança do Advento. Neste ano que passou, marcado pela presença de sérios conflitos regionais no mundo, realçados pela  ameaça de uma hecatombe nuclear envolvendo a Coreia do Norte, além do agravamento da questão do clima, renovo meus votos na esperança de melhores dias.

O "advento" é o período, na tradição cristã,  de quatro semanas que antecedem o Natal. Ele se inicia no primeiro domingo deste interregno e vai até o dia 25 de dezembro. Trata-se de um período de reflexão e espera, na expectativa da “Boa Nova” do Mensageiro de Deus.  É um momento de preparação para a reunificação das famílias, dos homens de boa vontade e de todos os povos do mundo, sem rancores , sem preconceitos, sem outro sentimento que aquele ocupado pelo Amor ao Próximo.  Sim, porque a grande ceia da noite de Natal não é senão um artifício para a celebração  da concórdia entre todos nós. Confirmação do laço afetivo  num ritual simbólico, imaginário e de forte impacto real, depois que  centenas e até milhares de quilômetros foram tragados por ansiosos passos em direção ao abraço familiar. É para casa que voltamos sempre. É em casa, junto dos entes queridos, que renovamos as energias para enfrentar as adversidades de um ano novo que  logo se anunciará  na fatia dos tempos. Aproveitemos, pois, o Advento, para  meditar sobre o nosso  mundo – ocidental - : pluri-cultural, multi-étnico, democrático, laico,  embora  essencialmente cristão -, como síntese da razão helênica cevada na antiga Grécia e da fé de um homem simples que peregrinou pela Galileia e deixou seus rastros no Novo Testamento.

Vivemos, por certo,  há já décadas,  momentos difíceis de nossa História. Foi-se o sonho de uma noite de verão dos anos do pós-II Guerra. A razão e a liberdade, que pareciam sustentar a construção de um homem capaz de construir seu próprio destino e um novo horizonte para a humanidade, estão em cheque. As esperanças de um mundo melhor parecem soterradas. O Advento, porém, contribui para reforçar a persistência no bom caminho da iluminação. O homem, enfim, é o começo e o fim de tudo. Ainda há tempo, mas há que refletir. Pensar com coragem, determinação e prudência. Pensar e agir enquanto oramos,todos,  mesmo os que não sabem rezar, por um 2018 mais promissor. Para nós, brasileiros,  ele será decisivo para moldar um novo tempo.

 

 

 

Dezembro, 10 

O ATO, O FATO E O PATO

                                                     Paulo Timm

 “A preferência pela ontologia junto a teoria do conhecimento faz ecoar o impasse da razão tecnológica (onde ressoa a barbárie), mas além do objetivismo-idealista, um pragmatismo-reificado termina por influenciar o senso da verdade racional de muitos. Ao evitar a precedência da ética na abordagem ontológica, ignora-se as razões das escolhas de objeto de pesquisa e o sentido do bem implicado no conhecimento produzido, para este ou aquele grupo. O sonho da solidez, da força e da certeza sempre atende aos poderes etnocêntricos, daqui e de lá. Hoje, mesmo nas ciências humanas, muitos buscam categorias fixas, em nome de determinada validade de pretensão universal, que todos sabemos, nunca se alcança, chegando no máximo à certas validades gerais. Penso que, se na prática as ciências e a filosofia não implicam a ética prioritariamente em suas escolhas, então, o que o conhecimento diz do ser é aquilo que convêm a poucos”

Felipe Lessa FACE BOOK

Dia da FILOSOFIA

https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fwww.calendarr.com%2Fportugal%2Fdia-mundial-da-filosofia%2F&h=ATPx3x7BfB5g6YlXwiRrSaIwxwY307ImlnyuQc8fLfHW3N6zz33bthzEErCwTho8Ch1A_EU0EoPwfWldc9zY3Z14rC2tH4E_jy97D29bWKkTZeZTC2QyCpZxMH_-_BZn3UVzGar8Cp60bJApV9fWMRgSgGCmzEQGxfUsXe2xofJlgq8Rq0geUkrxDPHtJ76eNk_ePYC4XEPZpz41iWpnrbe1DUz3bQTOWfb1b4KKBw9dZcrE4LYFIuelDZkv1I0UJQxmtxAWmjlU8XHoQWF9O6cYwn_snb-QAw

No último dia 16 celebrou-se o Dia Mundial da Filosofia, que foi lembrado pela ONU com uma mensagem na qual enaltece o papel deste campo do conhecimento como estímulo ao diálogo entre as culturas, além de outras virtudes:

 “Para a UNESCO, a filosofia também é o meio de liberar o potencial criativo da humanidade, e fazer emergir as novas ideias. A filosofia cria condições intelectuais para a mudança, o desenvolvimento sustentável e a paz.”

Em suporte ao ensino da Filosofia, cujo nascimento situamos no século de ouro da Grécia Antiga – Sec. V AC – a  Conferência Mundial das Humanidades, na Bélgica, em agosto de 2017, determinou as diretrizes para o ensino de humanidades e a  UNESCO se esforça para difundir esta visão.  A diretora-geral da UNESCO lembrou que, ainda hoje, a filosofia é um baluarte contra o estreitamento de opiniões, uma maneira de cultivar a distância crítica diante da saturação das informações, diante dos discursos simplistas que buscam colocar as culturas umas contra as outras. (UNESCO cit)

                                   Mensagem  UNESCO/ONU – 16 novembro 2017

 

 

Na verdade, a Filosofia trata da procura da verdade, o que exige que ela não só crie teorias, como, paralelamente, crie uma sintaxe própria. Tal como a Poesia, sua prima, a Filosofia nasce do espanto diante do mundo e repousa sobre dois grandes vértices de reflexão: (1) O Transcendentalismo que nos remete à  estrutura universal de como a realidade se apresenta para nós e que nos dão as  coordenadas da realidade, ou seja, como pensar, (2)Ontológico, que trata da  realidade em si , sua emergência e sua disposiçãp - quem sou - , esta , cada vez mais sequestrada pelas Ciências Naturais; neste campo a ideia o ente, dotado de consciência e capaz de decidir sobre seu destino, como um acidente do ser, ocupa um lugar central.

:
“ Desde sua própria origem a filosofia parece oscilar entre duas abordagens: a transcedental e a ontológica ou ôntica. A primeira se refere à estrutura universal de como a realidade se apresenta para nós. Que condições é preciso atender para que a percebamos uma coisa como realmente existente.? “Transcedental é o terreno técnico filosófico, para tal arcabouço, o qual define as coordenadas da realidade –por exemplo – a abordagem transcental nos torna conscientes de que para um naturalista científico, só os fundamentos materiais espaço temporais regulados pelas leis naturais realmente existem, enquanto para um tradicionalista pré-moderno, espíritos e signaficados também são partes da realidade, e não apenas projeções humanas. A abordagem ôntica, por outro lado, está preocupada com a realidade em si, com sua emergência e sua disposição como apareceu o universo. Será que ele tem um começo e um fim?Qual o nosso lugar nele? No século XX , a brecha entre esses dois métodos de pensamento se tornou mais acentuada: a abordagem transcedental alcançou seu apogeu com o filósofo alemão M.Heidegger (1889-1976), enquanto a ontológica parece , hoje, ter sido sequestrada pelas ciências naturais. – esperamos que a resposta a nossa pergunta sobre as origens do universo venha da cosmologia quântica, das ciências do cérebro e do evolucionismo.”

                                            (S.ZIZEK em ACONTECIMENTO, Ed. ZAHAR, pg. 09-10)

 

 

A Filosofia, entretanto, embora tenha sido o ponto de partida para o pensamento científico, tendo em Aristóteles, discípulo de Sócrates, o patrono da postura ordenadora e racionalista dos fatos observados, com vistas à sua “lei” de sua, não é normativa. Ela é especulativa. Não dá soluções. Formula indagações  sobre o que observa tratando  dar conta e razão de forma a criar uma certa e datada  inteligibilidade. No dizer de Roberto Gomes, irrecorrível, a “Filosofia é uma razão que se expressa”.

Da Filosofia, amiga do saber, não derivaram apenas as Ciências Naturais, mas também as Humanidades, a partir do Direito, seguindo-se, depois a Economia, a Sociologia, a Psicologia , a Política e suas amplas derivações. De todas elas o Direito foi o que mais preservou a tradição perquiritória da Filosofia, mesmo depois de enveredar nos tempos modernos, com Kelsen, para a positividade da norma. Mas a sociedade civilizada  se recusa a condenar alguém sem procedimento processual, o qual impõe não só os lados antagônicos da acusação e da defesa, como ainda a presença de um juíz que se interpela permanentemente à luz da hermenêutica, ou seja, da interpretação das leis. Não fora este fundamento filosófico e bastaria a Polícia para prender, processar e julgar os criminosos com base na no que está escrito na Lei. Mas isso não basta à Filosofia do Direito.

A Sociologia surgiu mais tarde, desmembrando-se da Filosofia na tentativa de melhor compreender os fenômenos que deram origem à modernidade. Émile Durkheim foi seu fundador e procurou definir e situar o fato social como objeto da nova disciplina. Ele estudou profundamente as relações entre o indivíduo e a sociedade, mostrando a inevitabilidade desta, com sua armadura legal e institucional,  na modelagem da cultura. Preocupava-o, sobretudo, a disfunção capaz de levar a situações de ruptura desta cadeia, a que deu o nome de anomia.

O conceito de anomia foi cunhado pelo sociólogo francês Émile Durkheim e quer dizer: ausência ou desintegração das normas sociais. O conceito surgiu com o objetivo de descrever as patologias sociais da sociedade ocidental moderna, racionalista e individualista

A organização dos homens em uma mesma sociedade, regulada pelas mesmas leis é o que permite a mediação de conflitos individuais e sociais: “A única força capaz de servir de moderadora para o egoísmo individual é a do grupo; a única que pode servir de moderadora para o egoísmo dos grupos é a de outro grupo que os englobe” (DURKHEIM, 2010, P. 428).

A anomia é definida pelo autor como a ausência dessa solidariedade, o desrespeito às regras comuns, às tradições e práticas.

Esta lembrança é oportuna à luz da questão, hoje candente, da prisão de parlamentares no Estado do Rio. Para muitos, decorrente, para muitos,  de uma certa confusão na interpretação da decisão do Supremo Tribunal Federal, depois que este transferiu ao Senado o caso Aécio Neves. Ora, talvez a questão não seja propriamente de confusão no campo do Direito, mas de um estado típico de anomia no âmbito do Estado brasileiro. Algo muito mais grave.Isso vem a ser admitido pela PGR que recorreu da decisão de soltura dos referidos deputados, que acabou devolvendo-os à prisão por decisão do TRF 2 , Rio de Janeiro, quando alegou que o Estado é “uma terra sei lei” - https://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Fpoder%2F2017%2F11%2F1937120-pgr-vai-ao-stf-contra-alerj-e-diz-que-rio-e-terra-sem-lei.shtml%3Futm_source%3Dfacebook%26utm_medium%3Dsocial%26utm_campaign%3Dcompfb&h=ATNbWwTwqLlnL67h2NSIa4L5IM1PdKX6a-R3xNOXjPOOtn5kaRZxxqSgGfrx-o619Wt4tjS0ewBDtA3meyEiU3hyuGXNE1oreuplM_359nKxP0vwpQDFWDHUtQ9L_8DvOFWQ3KgDVj3hoscP_3kPKww0M4317aQh3oNvCo_cz4RNQmttpe5GJrnw34o0Vw126P3lN3PfYCWWCGjVwudN4HYw7TpMhPG5O7GQdCSdPzWFvNKmjq1gqlyHmhhjY27hs6tvvKZrg-XJVlQ2nWZ6PWWts6cp28mXz3IuxGFk4Ru3EiQ

Oportuna também, a lembrança de Durkheim, para restaurar à Sociologia um mínimo de especulação que a impeça de virar uma mera técnica de ajustes sociais daquilo que se considere desviação da norma social. Hora, pois, de um pouco de hermenêutica de Sua Excelência imperial e brutal: O fato.

Jamais  se contente com ele como lhe parece ou aparece, mesmo à luz das mais sofisticadas ferramentas de observação. Nunca há, por exemplo, uma única percepção e  interpretação do visto ou medido. Basta ver o que diz cada uma das testemunhas de um acontecimento, mesmo sob o cuidado de separá.las antes da consulta. 
Pergunte-se, antes COMO estes supostos fatos ocorrem. E POR QUE?
Aí vai descobrir aquilo que os ÍDOLOS DA RAZÃO, no dizer de um dos pais da modernidade, um tal Lord Bacon, encobrem e que outros Cientista Sociais advertem sobre o descolamento do real, do imaginário e do simbólico. E descobrirá a diferença entre o que aí está, posto e disposto, com aquilo que poderia ser e que é, exatamente, o que move a consciência no mundo.

Isso posto,  começará a entender, graças à Filosofia e suas derivações no campo das Ciências Humanas , porque o Homem  é sempre um enigma,  refém de uma razão que sua própria razão desconhece. E nunca mais será  um pato…

 

DEZEMBRO, 07

ORA DIREIS OUVIR AS VAGAS ESTRELAS DA URSA

 

“Não se ama a pátria porque ela seja grande e poderosa, mas porque é a nossa pátria” , dizia  Sêneca. E o Poeta Maior da moderna idade lusitana (FP), sublinhava: “O rio que passa pela minha aldeia é o mais lindo do mundo porque é rio que passa pela minha aldeia”.

A vida é simples, embora breve, mas se  enobrece pela virtude, amante da verdade, e se imortaliza pela arte. Foi assim, desde as cavernas, passando pelas grandes civilizações do passado, até os tempos atuais.

Um momento mágico deste longo itinerário, foi o século de Péricles (V AC), em Atenas, coração da Grécia antiga, embora um pequeno ponto no vasto e grandioso Império Persa que a cercava e ameaçava. Mas Péricles não foi um homem só. Por trás dele descortinava-se a grandeza de Homero e as lições da Iliada e da Odisseia, fundamento da PAIDEIA, tal como a Bíblia o é para nós. Naquele tempo a Poesia era companheira inseparável da condição humana, tradição que o Irã e povos orientais cultivam até hoje para encanto dos viajantes. Nós a perdemos pelo caminho da racionalização do mundo. Urge reencontrá-la.

Enquanto isso, resta-nos a História.

Em sua obra “Paideia: a formação do homem grego”.  Werner Jaeger deixou-nos um legado para o dos ideais da educação da Grécia antiga. Lamentavelmente, perdi meu exemplar, devidamente assinalado. Foi-se com meu FIAT roubado há alguns anos, sem que o furtivo meliante percebesse a preciosidade que capturara. Onde terá ido o meu PAIDEIA? Mas ainda compro outro e, se der tempo, o relerei com todo o cuidado….

A Paideia tal qual os gregos entendiam, envolve o ensinamento do corpo e da mente. Poesia, teologia, filosofia, gramática, retórica, matemática, música e astronomia faziam parte da formação da alma do homem grego.Jaeger demonstra isso desde os tempos remotos da Hélade com a poesia de Homero. Como GiamBattista Vico havia percebido, toda grande civilização começa com os poetas-teólogos, que são aqueles que transmitem o mito fundador da nação para o povo. A poesia foi a primeira forma de preparação da mente de crianças e adultos para a compreensão do mundo. O Mythos é a pedagogia de Homero, porquanto os seus poemas reproduzem as estórias de deuses e homens que dão início à Paideia. Jaeger acredita que Homero produz um pensamento “filosófico” relativo às leis eternas que governam o mundo. Na Ilíada e na Odisseia, as paixões humanas e os elementos da tragédia grega que Aristóteles iria explicar de forma tão maravilhosa na poética já se fazem presentes.”

 

Felipe Pimenta, in Resenha -

https://felipepimenta.com/2014/03/13/resenha-paideia-de-werner-jaeger/

Da PAIDEIA, de Jaeger, retirei um ensinamento: a importância da educação na formação de um povo. Educação no sentido amplo, não como 2 mais 2 são 4, mas também 22 ou, quem sabe, até 5… A educação importa não porque entrega conhecimentos adicionais. Mas porque molda um caráter com base no culto da virtude e da beleza. O erro dos doutores é a vaidade que os  transforma num burro carregado de livros, esquecendo-se do encanto da pátria e do rio que passa pela aldeia.   Diderot sabia disso, como se observa de sua nota sobre outro livreto de Sêneca, “Vida Feliz”:

 “Para o ignorante não há ciência mais simples e evidente que a moral; o sábio, porém, a considera a mais espinhosa e obscura . Talvez a moral seja a única ciência da qual se extraem defuções das mais justas audazes e distantes antes eesmo que se definam princípios. Por que isso acontece? Porque heróis são heróis antes de serem pensadores. Pensadores são produtos do ócio; os heróis se forjam na circunstância. Forma-se um pnesador nas escolas, frutos tardios do tempo. Os heróis repousam entre perigos, presentes em todos os tempos No heróis verifica-se a moral em ação, da mesma maneira que nos poetas a moral está nos pensamentos.”

Na Grécia antiga, por exemplo,  as crianças eram mandadas à Escola para aprender Oratória e Retórica. A primeira era a arte do discurso; a segunda a arte da argumentação. Esta era decisiva porque eles acreditavam, seguindo os sofistas, dentre os quais Protágoras pontificava, que tudo no mundo continha o justo e o injusto e ambos eram igualmente justificáveis. Um cidadão, portanto, deveria saber comparecer à Agora, onde cevou-se a democracia,  provido deste instrumental na defesa de suas ideias e seus interesses.. 
Contra este tipo de pensamento insurgiram-se Sócrates e seus seguidores- Platão e Aristóteles, imediatamente - , dando a origem à Filosofia, no esforço de dar conta e razão das questões que os atormentavam em busca da VERDADE. Uma verdade e não muitas... Daí nasceu o LOGOS, que desembocaria na Ciência e teria seu leito de Procusto na raciolinazação instrumental da socedade tecnológica, a ÉTICA, cuja filha dileta seria a Política, e a ESTETICA, como culto da beleza. 
Tudo para soterrar as superstições que assombravam o pensamento humano e o sofismo, que tergiversava sobre a verdade.
Isso me ocorre agora quando ouço o derradeiro discurso do Governo , quase de misericórdia, em defesa da REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Afirma com ares doutorais que, com a REFORMA, a ECONOMIA PODE VOLTAR A CRESCER. Sem a REFORMA ela volta a cair.
Primor de retórica sofista.Coisa de marqueteiro, não de gente iluminada com as luzes da PAIDEIA.

E há quem acredite...

Se a Reforma da Previdência é importante, basta revelá-la em sua verdade. Não só com os algarismos que enchem tabelas pré concebidas para justificar o próprio argumento, mas com os números, como dizia Pitágoras, que alimentam o espírito, sobretudo o espirito público.

 

 

 NOVEMBRO, 21

                O ATO, O FATO E O PATO

                                                                 Especial para A FOLHA, Torres . 

 

 “A preferência pela ontologia junto a teoria do conhecimento faz ecoar o impasse da razão tecnológica (onde ressoa a barbárie), mas além do objetivismo-idealista, um pragmatismo-reificado termina por influenciar o senso da verdade racional de muitos. Ao evitar a precedência da ética na abordagem ontológica, ignora-se as razões das escolhas de objeto de pesquisa e o sentido do bem implicado no conhecimento produzido, para este ou aquele grupo. O sonho da solidez, da força e da certeza sempre atende aos poderes etnocêntricos, daqui e de lá. Hoje, mesmo nas ciências humanas, muitos buscam categorias fixas, em nome de determinada validade de pretensão universal, que todos sabemos, nunca se alcança, chegando no máximo à certas validades gerais. Penso que, se na prática as ciências e a filosofia não implicam a ética prioritariamente em suas escolhas, então, o que o conhecimento diz do ser é aquilo que convêm a poucos”

Felipe Lessa FACE BOOK

 

                                                                *

 No último dia 16 celebrou-se o Dia Mundial da Filosofia, que foi lembrado pela ONU com uma mensagem na qual enaltece o papel deste campo do conhecimento como estímulo ao diálogo entre as culturas, além de outras virtudes:

Na verdade, a Filosofia trata da procura da verdade, o que exige que ela não só crie teorias, como, paralelamente, crie uma sintaxe própria. Tal como a Poesia, sua prima, a Filosofia nasce do espanto diante do mundo e repousa sobre dois grandes vértices de reflexão: (1) O Transcendentalismo que nos remete à  estrutura universal de como a realidade se apresenta para nós e que nos dão as  coordenadas da realidade, ou seja, como pensar, (2)Ontológico, que trata da  realidade em si , sua emergência e sua disposiçãp - quem sou - , esta , cada vez mais sequestrada pelas Ciências Naturais, particularmente Neurociências;

A Filosofia, entretanto, embora tenha sido o ponto de partida para o pensamento científico, tendo em Aristóteles, discípulo de Sócrates, o patrono da postura ordenadora e racionalista dos fatos observados, com vistas à sua “lei” , não é normativa. Ela é especulativa. Não dá soluções. Formula indagações  sobre o que observa tratando  dar conta e razão ao que vê. No dizer de Roberto Gomes, definitiva: A “Filosofia é uma razão que se expressa”.

Da Filosofia, amiga do saber, não derivaram apenas as Ciências Naturais, mas também as Humanidades, a partir do Direito, seguindo-se, depois a Economia, a Sociologia, a Psicologia , a Política e suas amplas derivações. De todas elas o Direito foi o que mais preservou a tradição perquiritória da Filosofia, mesmo depois de enveredar, nos tempos modernos, com Kelsen, para a positividade da norma. Não fora este fundamento filosófico e nos bastaria a Polícia para prender, processar e julgar os criminosos, com base na no que está escrito na Lei. Mas isso não basta à Filosofia do Direito. Ela exige o que chama de hermenêutica. Ainda bem...

A Sociologia surgiu mais tarde, desmembrando-se da Filosofia na tentativa de melhor compreender os fenômenos que deram origem à modernidade. Émile Durkheim foi seu fundador e procurou definir e situar o fato social como objeto da nova disciplina. Ele estudou  as relações entre o indivíduo e a sociedade, mostrando a inevitabilidade desta, com sua armadura legal e institucional,  na modelagem da cultura. Preocupava-o, sobretudo, a disfunção capaz de levar a situações de ruptura desta cadeia, a que deu o nome de anomia.

. O conceito surgiu com o objetivo de descrever as patologias sociais da sociedade ocidental moderna, racionalista e individualista.

A anomia é definida pelo autor como a ausência dessa solidariedade, o desrespeito às regras comuns, às tradições e práticas.

 

Esta lembrança é oportuna à luz da questão, hoje candente, da prisão de parlamentares no Estado do Rio. Para muitos, decorrente, de uma certa confusão na interpretação da decisão do Supremo Tribunal Federal, depois que este transferiu ao Senado o caso Aécio Neves. Ora, talvez a questão não seja propriamente de confusão no campo do Direito, mas de um estado típico de anomia no âmbito do Estado brasileiro. Algo muito mais grave… Isso vem a ser admitido pela PGR que recorreu da decisão de soltura dos referidos deputados, que acabou devolvendo-os à prisão por decisão do TRF 2 , Rio de Janeiro, quando alegou que o Estado é “uma terra sei lei” -

https://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Fpoder%2F2017%2F11%2F1937120-pgr-vai-ao-stf-contra-alerj-e-diz-que-rio-e-terra-sem-lei.shtml%3Futm_source%3Dfacebook%26utm_medium%3Dsocial%26utm_campaign%3Dcompfb&h=ATNbWwTwqLlnL67h2NSIa4L5IM1PdKX6a-R3xNOXjPOOtn5kaRZxxqSgGfrx-o619Wt4tjS0ewBDtA3meyEiU3hyuGXNE1oreuplM_359nKxP0vwpQDFWDHUtQ9L_8DvOFWQ3KgDVj3hoscP_3kPKww0M4317aQh3oNvCo_cz4RNQmttpe5GJrnw34o0Vw126P3lN3PfYCWWCGjVwudN4HYw7TpMhPG5O7GQdCSdPzWFvNKmjq1gqlyHmhhjY27hs6tvvKZrg-XJVlQ2nWZ6PWWts6cp28mXz3IuxGFk4Ru3EiQ

 

 Nem com a Filosofia, nem com a Sociologia, porém, você alcançará a sabedoria, mas  começará a entender,  porque o Homem  é sempre um enigma,  refém de uma razão que sua própria razão desconhece. E nunca mais dará uma de pato diante do fato…

 

 

 


Quem Somos
Quem Somos

O site www.torrestvdigital.com.br é um projeto cultural de informação e  promoção da cidadania, de caráter individual, audacioso, de ponta tecnológica,  sem fins lucrativos, permitindo-se apenas APOIOS CULTURAIS e parcerias com outras instituições, voltado à Pesquisa, Análise e Divulgação de dados e assuntos de ordem cultural, sócio-política e eventos ligados às municipalidades da Bacia do Rio Mampituba, polarizados pela cidade de Torres, na qual se concentrarão, primeiramente, os maiores esforços, dentre eles a transmissão das sessões de sua Câmara de Vereadores.

O site está devidamente registrado e sob a responsabilidade de PAULO CEZAR TIMM, brasileiro, servidor aposentado, casado, economista, CPF 058806610-91, RG 11 268 33456/RS e residente á Rua Manoel Pereira Maciel, n. 163, Passo de Torres – SC, Cep 88890 000,  podendo ser acessado através do Email paulotimm.com.br .

Além das informações sobre Torres e Vale do Mampituba o site contempla uma coluna de rápida renovação do autor - Paulo Timm - , sob o título ALMANAK DO TIMM, que poderá ser reproduzida com a devida autorização e créditos. Além deste ALMANAK diversos arquivos com as colunas do autor nos últimos anos em diversos sites do país, bem como arquivos sobre os mais diversos assuntos, organizados também pelo autor do site, podem ser acessados por links. Estão, ambos, indicados na primeira página.

CURRICULUM  VITAE

 

 

PERSONNAL DATA 

TIMM, Paulo  Cezar 

Brasilian, born in Rio de Janeiro, BR,  in 1944 

Permanent Adress :  BRAZIL – Email  : paulotimm@gmail.com

 

 PROFESSIONAL SKILL 

Graduated in Economics, Brazil, Universidade Federal UFRGS -1969. 

Post-Graduated   by University of Chile (LatinAmerican Studies Program - ESCOLATINA – 1970 –1972 

Post-Graduated in Planning and Research in Development Process – UN /CEPAL 1969 

 PROFESSIONAL ACTIVITIES 

Public Official -  Central Agency for Economic Planning  and Research (IPEA) ,Brazil-1973-91 (Retired) Special Functions : Secretary of State for Environment and Tecnology , Brasilia, FD, Brasil, 1993   -   Director  of the (public) Agency for Planning and Development (CODEPLAN) ,1992, Brasilia , Brazil  - Appointed  Mayor of South Lake Brasilia Administration ,1997/ 898, Brasilia, Federal District, Brazil  -  Special Adviser  of the National Congress, 1980 –1989.Professor  and invited  lecturer in  several Universities and Colleges in Brazil  including Federal University of Brasilia (UnB,Brasilia), 

Idioms

 Fluent  in Portuguese, Spanish ,French  ,English  and Italian. Basic in German

 

topo